03/01/2020

Livros: O iluminado

Título: O iluminado
Foto: instagram

Autora: Stephen King
Editora: Objetiva
Ano: 1999
Páginas: 313
Sinopse: Danny Torrance não é um menino comum. É capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? A resposta pode estar guardada na imponência assustadora do hotel Overlook.
Em O iluminado, quando Jack Torrance consegue o emprego de zelador no velho hotel, todos os problemas da família parecem estar solucionados. Não mais o desemprego e as noites de bebedeiras. Não mais o sofrimento da esposa, Wendy. Tranquilidade e ar puro para o pequeno Danny livrar-se das convulsões que assustam a família. Só que o Overlook não é um hotel comum. O tempo esqueceu-se de enterrar velhos ódios e de cicatrizar antigas feridas, e espíritos malignos ainda residem nos corredores. O hotel é uma chaga aberta de ressentimento e desejo de vingança. É uma sentença de morte. E somente os poderes de Danny podem fazer frente à disseminação do mal.

Resenha: Jack é demitido de seu emprego, como professor, após uma confusão com um de seus alunos, deixando seu filho, Danny, e sua esposa, Wendy, sem amparo financeiro. Diante dessa situação, o vício ao álcool de Jack voltou, preocupando sua amada, pois o mesmo já agredira seu filho anteriormente em um de seus surtos.
Sensibilizado com a situação de Jack,  seu amigo arranja um emprego no hotel Overlook, para que ele e sua família vivam lá enquanto ele trabalha como zelador. Um trabalho simples, aparentemente. 


Contudo, Danny tem um mal pressentimento e seu "amigo imaginário" o perturba todas as noites, contando-lhe o que irá acontecer se forem de fato morar lá. O menino conta aos seus pais,  que de prontidão ficam preocupados, mas depois acabam descartando a probabilidade por falta de oportunidades de empregos melhores.

Não demora muito para Jack vasculhar o passado do Hotel e o mesmo descobre coisas bizarras que aconteceram relacionadas aos antigos hospedes e zeladores. Muitos deles sendo no específico quarto: 217. Isso abala Jack e seu vício começa a dar indícios de uma possível volta. 




Jack ordena que Danny não vá até  lá, mas o mesmo é atraído até o quarto, onde é quase enforcado. Quando questionado, Wendy não acredita na versão do filho e jura que fora obra de seu marido.

Danny tenta se comunicar com o antigo cozinheiro do hotel, mandando um pedido de ajuda telepaticamente para o mesmo. O menino sentia que algo horrível estava para vir.

O que falar quando são livros do Stephen? Ainda mais um clássico como O Iluminado! Não tenho nem palavras de como a leitura me prendeu do começo ao fim, me deixando angustiada, querendo saber o que iria acontecer, com raiva e pena em um único capitulo.

Esse é o segundo livro que li do King, mas já estou apaixonada pelo modo que as histórias fazem com que o leitor não consiga tirar os olhos do livro.

Foi uma das minhas melhores leituras de 2019 e pretendo ( com toda certeza ) ler o Dr. Sono, para ver o que mais pode vir nessa história. 










20/12/2019

Checklist de Natal (2019)

Natal sempre foi a data comemorativa favorita do meu ano todo, desde que era criança. A decoração, as músicas, o espirito natalino, a união de minha família em um único lugar, a comida... é como um pacote completo essa data para mim.


No natal sinto mais vontade de escrever, mais inspirada para começar novos projetos, para ter ideias. É quase um sentimento de ano novo ahahaha Por isso, resolvi criar essa checklist de natal, inspirada na checklist de Halloween da Memorialices. Eai, vamos nessa?!

🎄 Montar a árvore de natal: essa checklist não faria sentido algum sem esse item, afinal, o que é natal seu o típico pinheiro? 

🎄 Decorar dentro de casa e fora com luzinhas: pisca pisca é outro item chave para um natal decorado, indispensável eu diria.

🎄Fazer cartões de natal: busquei algumas ideias de cartões na internet e resolvi fazer alguns para presentear meus amigos e família esse ano.



🎄 Brincar de amigo secreto: na minha família o amigo secreto já virou tradição, ao invés de comprarmos presentes um ao outro, sempre juntamos todos os nomes e tiramos, assim economizamos dinheiro e ainda acabamos nos divertindo com uma noite de revelação e jantar especial. É um sucesso!

🎄Assistir Grinch: um dos clássicos do natal, que não poderia faltar! Quem nunca assistiu grinch, recomendo que assista o quanto antes haha Quando estive em Londres ele era muito lembrado no natal.

🎄Reler/ler algum livro com o tema de natal: no último natal li "The nightingale Christmas show", esse ano ainda não tenho ideia de qual vou ler, mas estou criando uma listinha de desejos.

🎄 Tirar fotos temáticas: sempre quis tirar fotos "natalinas", mas nunca tive a oportunidade, então esse ano vou focar em tentar tirar algumas e ver no que dá.



*fotos da postagem: @shinybubblessb*


15/12/2019

Livros: O que o sol faz com as flores

Título: O que o sol faz com as flores
Foto: instagram


Autora: Rupi Kaur
Editora: Planeta
Ano: 2018
Páginas: 256
Sinopse: Da mesma autora de outros jeitos de usar a boca, best-seller com mais de 100mil exemplares vendidos no Brasil. 
o que o sol faz com as flores é uma coletânea de poemas arrebatadores sobre crescimento e cura. ancestralidade e honrar as raízes. expantraição e o amadurecimento até encontrar um lar dentro de você. 
organizado em cinco capítulos e ilustrado por Rupi Kaur, o livro percorre uma extraordinário jornada dividida em murchar, cair, enraizar, crescer, florescer. uma celebração do amor em todas as suas formas.

essa é a receita da vida

minha mãe disse
me abraçando enquanto eu chorava
pense nas flores que você planta
a cada ano no jardim
elas nos ensinam
que as pessoas 
também murcham
caem 
criam raiz
crescem
para florescer no final'

Resenha: O livro é composto com diversas poesias e desenhos, que a própria autora fez. Eles vão desde a dor, o trauma, a cura e o amor, trazendo sensações distintas no leitor, o que acabou me prendendo do inicio ao fim.

Ele conta com uma pureza, mas certa brutalidade que mal sei descrever. Achei apaixonante o modo da autora escrever, ainda mais que ela decidiu seguir um estilo próprio de escrita de seu país e a tradutora do livro teve todo esse cuidado de mantê-lo.

Ler este livro foi como me sentir segura, confortável, como se fossemos amigas conversando sobre a vida. Levarei ele como favorito por um bom tempo, fazia anos que não me encontrei dessa forma em um livro de poesias, que mergulhei de cabeça.

06/12/2019

Livros: Orgulho de ser

Título: Orgulho de ser
Foto: instagram

Autora: Diversos
Editora: Rico produções artísticas
Ano: 2018
Páginas: 112
Sinopse: A antologia #Orgulhodeser reúne 8 histórias, contadas por 8 autores diferentes que, juntos, representam a comunidade mais colorida do mundo. Nesse livro, vocês encontrarão altas doses de representatividade em histórias de diferentes gêneros. Chore, sorria, vibre, angustie-se... Não importa o sentimento que invada 
você: permita-se SENTIR. Escancare as portas do armário e não esqueça de se orgulhar por ser exatamente quem é.

Resenha: Assim como diz a sinopse, temos 8 contos curtinhos e de fácil leitura cuja a central deles é a comunidade LGBTQIA+. Vale lembrar que os contos não são conectados, portanto a ordem de leitura não interfere na interpretação do outro, o que para mim foi um ponto muito positivo. Quando cansava demais de uma história, eu poderia parar e no dia seguinte começar outra, não me obrigando a ficar naquilo até o fim.

Apenas três ou dois me prenderam de verdade e me deixaram com aquele gostinho de quero mais. Os demais contos pareceram forçar o tema, não encaixaram muito bem, acredito que tivera histórias melhores para entrar na antologia. Pensei que seriam histórias empoderadas, já que o tema é Orgulho de ser, mas não achei que foram de fato.
Pela divulgação que o livro teve, esperava muito mais dele, mas é um livro ok para ler em dias de resseca literária: curtinho, contos independentes e sem mistério nenhum para lê-los.

29/11/2019

Livros: 13 segundos

Título: 13 segundos
Foto: instagram

Autora: Bel Rodrigues
Editora: Galera
Ano: 2018
Páginas: 304
Sinopse: O fim de um relacionamento é sempre um período difícil, mas isso se intensifica quando você está no último ano do colegial e precisa decidir o que será do seu futuro. Lola sabe que a decisão foi o melhor para os dois, mas aquela saudade de alguém que estava sempre presente é inevitável. Agora, tudo que Lola quer é deixar isso para trás e focar em pôr a vida em ordem novamente, se redescobrindo após um relacionamento que exigiu tanto dela e reavaliando suas prioridades: estudos, amigos, família e o canto, sua maior paixão. Com o corte do coral das atividades extras, a garota finalmente decide ouvir seus amigos e resolve criar um canal no YouTube para postar alguns covers, nada mais do que um hobby para substituir seu tão amado coral. Focada em não se relacionar seriamente e aproveitar as festas do último ano, tudo parece se alinhar quando Lola conhece John, um intercambista que busca exatamente o mesmo que ela: se divertir e criar memórias inesquecíveis. Quanto mais as coisas mudam, mais a garota percebe como perdera seu tempo tentando salvar um relacionamento que já estava naufragado, e como agora elas se sentia genuinamente feliz com as pessoas incríveis à volta e seu grande hobby se tornando cada vez mais influente. Entre conselhos sinceros, noites quentes e provas do Ensino Médio, a única coisa que Lola não poderia prever era o quão rápido tudo poderia desmoronar. Em treze segundos, especificamente.

Resenha: O livro começa com o termino de namoro da Lola, um relacionamento de longa data, com o intuito de focar mais em seus estudos. Lola está no ensino médio, onde passa a maior parte da história narrada.

Lola costuma frequentar festas, onde conhece John em uma delas, mas tem a leve impressão que já o viu em algum lugar: eles já teriam ficado em alguma outra? O mistério acaba quando John entra em sua escola e há uma reaproximação.

Amante da música, Lola tem uma péssima notícia: seu clube de música iria fechar por falta de verba. Os amigos dela recomendam que ela abra um canal no YouTube para continuar com sua paixão e a garota segue o conselho deles.

No auge de sua fama, Lola tem sua vida virada de ponta cabeça através de 13 segundos, um revenge porn.

Esse é mais um daqueles livros para quando você está com ressaca literária e ainda assim, ainda achei uma leitura beeem fraquinha. Tudo bem se levarmos em conta que Bel escreveu essa obra com seus 15 anos, mas se fosse algo de hoje, não teria feito com que eu desse 3 estrelas.

A história é bem americanizada, o John é um personagem bem raso e tudo ele cita o Canadá como exemplo ( ele é intercambista ), o que para mim ficou cansativo. O livro desenrola em assuntos aleatórios e é como se a Lola vivesse uma vida totalmente perfeita até o dia do revenge, que ao meu ponto não foi tão aprofundado quanto eu gostaria.

Num todo, gostei do livro, mas não leria novamente pelos motivos citados acima.

13/09/2019

Livros: A menina submersa - memórias

Título: A menina submersa - memórias
Foto: instagram

Autora: Caitlín E. Kiernan
Editora: Darkside
Ano: 2015
Páginas: 320
Sinopse: A menina submersa: memórias é um verdadeiro conto de fadas, uma história de fantasmas habitada por sereias e licantropos. Mas antes de tudo uma grande história de amor construída como um quebra-cabeça pós moderno, uma viagem através do labirinto de uma crescente doença mental. Um romance repleto de camadas, mitos e mistério, beleza e horror, em um fluxo de arquétipos que desafiam a primazia do "real" sobre o "verdadeiro" e resultam em uma das mais poderosas fantasias dark dos últimos anos. Considerado uma "obra-prima do terror" da nova geração, o romance é repleto de elementos de realismo mágico e foi indicado a mais de cinco prêmios de literatura fantástica, e vencedor do importante Bram Stoker Awards 2013. O trabalho cuidadoso de Caitlín R. Kiernan é nos guiar pela mente de sua personagem India Morgan Phelps, ou Imp, uma menina que tem nos livros os grandes companheiros na luta contra seu histórico genético esquizofrênico e paranoico. Filha e neta de mulheres que buscaram o suicídio como uma única alternativa, Imp começa a escrever um livro de memórias para tentar reconstruir seus pensamentos e lutar contra o que seria  "a maldição da família Phelps" além de buscar suas lembranças sobre a inusitada Eva Canning, sua relação com a namorada e consigo mesma, que evoca em muitos momentos a atmosfera de filmes como Azul é a cor mais quente (Palma de ouro em Cannes, 2013) e Almas gêmeas (1994), de Peter Jackson. Não se assuste: é um livro dentro de um livro, e a incoerência uma isca para uma viagem mais profunda, onde a autora se aproxima de grandes nomes como Edgar Allan Poe e HP Lovecraft, que enxergaram o terror em um universo simples e trivial - na rua ao lado ou nas plácidas águas escuras do rio que passa perto de casa -, e sabem que o medo real nos habita. Caitlín dialoga ainda com o universo insólito de artistas como P.G. Wodehouse, David Lynch e Tim Burton, e o enigmático personagem Sandman, de Neil Gaiman, com quem aliás, trabalhou, escrevendo The Dreaming, spin-off derivado da obra-prima de Gaiman. A menina submersa evoca também as obras de Lewis Carrol, Emily Dickinson e a Ofélia, de Hamlet, clássica peca de Shakespeare, além de referências direitas a artistas mulheres que deram um fim trágico à sua existência, como a escritora Virginia Woolf. Com uma narração intrigante, não linear e uma prosa magnífica, Caitlín vai moldando a sua obsessiva personagem. Imp é uma narradora não confiável e que testa o leitor durante toda a viagem, interrompe a si mesma, insere contos que escreveu, pedaços de poesia, descrições de quadros e referencias a artistas reais e imaginários durante a narrativa. Ao fazer isso, a autora consegue criar algo inteiramente novo dentro do mundo do horror, de fantasia e do thriller psicológico. A epígrafe do livro, retirada de uma música da banda Radiohead - "There There" -, diz muito sobre o que nos espera: "Sempre há um canto de sereia que te seduz para o naufrágio". A menina submersa é como esse canto, que nos hipnotiza até que tenhamos virado a última página, e fica conosco para sempre ao lado de nossas melhores lembranças. 

Resenha: Esse é um daqueles livros que ou você ama ou você odeia e felizmente amei ele! O livro conta a história de Imp, que é a narradora dessa história. Ela sofre de esquizofrenia e não é uma narradora confiável, ainda mais quando ela fica em dúvida se houvera acontecido de um jeito ou de outro. O jeito dela escrever pode ser um pouco confusa para quem não tem o hábito de leitura, porém se você lê bastante, provavelmente irá se acostumar nos primeiros capítulos.


Quando mais nova, Imp vai ao museu com sua mãe, onde vê um quadro chamado A menina submersa, que a deixa fascinada e desde então começa a fazer inúmeras pesquisas relacionada a ele e criar seu próprio "arquivo".

Imp ama pintar e em alguns momentos escreve contos, em particular o capitulo que ela escreve durante uma crise é perturbador mas faz sentirmos o que ela deveria estar sentindo no momento e vem aquele alerta novamente de que ela precisa de ajuda e não é uma narradora confiável.

Não é fácil descrever a história que se passa durante o livro, é bem confuso de explicar, mas é uma leitura muito envolvente e que me durou dois dias apenas! O jeito que Imp escreve deixa o assunto mais leve, creio eu, de uma forma que você quase não percebe que ela está divagando.

Sou muito fã de textos relacionado a psicologia e esse livro de fato tem muito o que nos mostrar em relação a psicologia da Imp. Não vou mentir, houveram páginas que me deixaram um pouco desanimada e cansada, mas foram poucas.

07/09/2019

HQ: A cozinha - rainhas do crime

Título: A cozinha: rainhas do crime
Foto: instagram

Roteiro: Ollie Masters
Arte: Ming Doyle
Cores: Jordie Bellaire
Editoria: Panini
Editora original: DC | Vertigo
Data original de publicação: 2019
Páginas: 176

Resenha: Começamos a HQ com a prisão do marido de três mulheres, onde Kath se vê na oportunidade perfeita de tomar a frente dos negócios e render mais dinheiro do que estava recebendo, chefiando A Cozinha do Inferno, coletando dinheiro semanalmente.

No início, Angie e Raven se vêem num caminho sem muitas escolhas, ainda relutante sobre aceitar a proposta de Kath ou não. Contudo, as três mulheres vão atrás do que as pertence e quando um cara tenta as dizer o que fazer, Kath toma as rédeas e mostra quem é que manda, só então as outras se dão conta do que estão realmente se metendo.

Um dos antigos comparsas de seus maridos sai e se propõe em ajudá-las nos negócios, além de encobrir as mortes que acabaram acontecendo no meio do caminho.

Os negócios vão melhor do que esperavam, elas são impostas a coisas que nem imaginaram, mas ganham o respeito de toda a Cozinha do Inferno. Porém, o que parecia levar anos, foi rápido até demais, os maridos foram soltos.

A primeira a receber a grande surpresa é a Angie, mas não tardou para que as demais também recebessem. Inconformado por mulheres estarem tomando sua posse, o marido de Kath tenta fazer um acordo com Gargano, da máfia italiana. No fim das contas, o mesmo toma seus filhos e foge, com medo dos acontecimentos e para ter uma arma contra sua mulher.

Raven muda drasticamente e tenta tomar a frente do grupo, porém Kath e Angie percebem, resolvendo então ter uma conversa. Nessa conversa, Kath e Raven discutem, o que acaba em uma tragédia.

O quadrinho conta com ilustrações com cara de esboço, que eu particularmente amo, cores incríveis e um roteiro melhor ainda. Tudo é uma surpresa, o tempo todo! Nos prende muito, é bem rápido de ler. Se tivesse uma continuação, com certeza compraria, pois se trata daquela história que deixa com o gostinho de "quero mais".

O que mais gostei foi como as personagens crescem no decorrer do quadrinho, não são as mesmas do começo. Além disso, ainda contamos com alguns breves flashblacks, de quando conheceram os maridos, de seus pais. É muito bem elaborada para uma história de apenas 176 páginas, realmente me conquistou.




Instagram