14/06/2019

Como definir seu estilo através do Pinterest


Uma das minhas dificuldades na hora de comprar roupas, me desfazer de roupas que não uso mais ou afins sempre foi seguir uma linha de "looks" e estilos que eu me identificava, eu simplesmente não conseguia enxergar qual era o tipo de roupa que eu gostava de usar ou achava bonito. Mas bem, meus problemas acabaram quando descobri o Pinterest! Vem comigo que te conto como.

Para quem ainda não conhece o Pinterest, ele é uma rede social onde você pode salvar imagens em pastas e subpastas, qualquer tipo de imagem! Basta você ir salvando que ele vai identificando quais tipos de busca você mais se interessa e cada vez tornando mais prática sua timeline. 

A fim de descobrir meu estilo e cores do momento, usei uma técnica recomendada pela Marieli Mallmann, onde criamos uma pastinha e "jogamos" tudo relacionado a roupas que gostamos lá dentro. No final, analisamos: que peças mais se repetem? E em relação a cores, quais são mais predominantes?

Sem maiores complicações, seu estilo vai estar quase escrito. Sendo assim, fica mais fácil decidir quais roupas comprar ou reaproveitar do seu guarda roupa, além das roupas que servirão de "coringa" para seus looks. 

Parece algo bobo, mas foi o que fez com que eu mudasse meu guarda roupa para o modo minimalista e muito mais objetivo! E para ser sincera, hoje ele é muito mais minha cara do antes com muitas roupas, fora que não fico mais horas e horas pensando no que vestir, vem quase que no automático o que vou vestir para a ocasião! 

Salva esta dica ;)

OBS: é importante lembrar que mudamos de estilo e "mood" constantemente, então esteja sempre atualizando suas pastinhas para que não parem de fazer sentido para ti.




07/06/2019

Livros: A garota do lago

Título: A garota do lago
Autora: Charlie Donlea
Editora: Faro Editorial
Ano: 2017
Páginas: 296
Sinopse: Summit Lake, uma pequena cidade entre montanhas, é esse tipo de lugar bucólico e com encantadoras casas dispostas à beira de um longo trecho de água intocada. Duas semanas atrás, a estudante de direito Becca Eckersley foi brutalmente assassinada em uma dessas casas. Filha de um poderoso advogado, Becca estava no auge de sua vida. Atraída instintivamente pela notícia, a repórter Kelsey Castle vai até a cidade para investigar o caso. E logo se estabelece uma conexão intima quando um vivo caminha nas mesmas pegadas dos mortos.
E enquanto descobre sobre as amizades de Becca, sua vida amorosa e os segredos que ela guardava, a repórter fica cada vez mais convencida de que a verdade sobre o que aconteceu com Becca pode ser a chave para superar as marcas sombrias de seu próprio passado.

Resenha: 
Normalmente eu leio ebooks mais rápido do que livro físico, mas esse livro acabou impressionando até a mim mesma a rapidez em que o li, foram menos de dois dias vidrada nessa história.

Com uma linguagem fácil e envolvente, a história vai sendo guiada por duas linhas do tempo: uma antes da morte de Becca, dando contexto ao ocorrido até chegar no dia do assassinato e outra do ponto de vista da investigação da repórter, o que para mim foi ainda mais intrigante, pois deixava aquele "que" de curiosidade sempre que descobriam algo novo e só ia ser revelado daqui um capítulo.

Outro fato interessante é como o autor brinca com nossa mente durante o livro todo, você pensa que é um sujeito x, logo ele prova que é o y, quando na verdade é o z. O mistério, os detalhes... enfim! Por mim poderia ser até maior, porque achei que o fim ainda deixou um espaço para mais, mas o livro ficou muito bom ainda assim!

Se você ama investigação, vale a pena dar uma chance para A garota do lago, com certeza! Foi uma recomendação de uma amiga minha e me apaixonei por ser uma leitura simples, mas ao mesmo tempo bem estruturada.

Fonte da imagem: google

04/06/2019

Como alavancar seu Inglês com o intercâmbio



Durante o mês de dezembro e janeiro estive em Londres realizando um sonho que sempre tive: fazer intercambio. Na minha cabeça era algo muito distante, quase impossível de acontecer, mas com planejamento  cada centavo economizado veio a valer a pena.

O foco principal era destravar meu inglês, já que eu era mais uma daquelas vítimas do medo de falar inglês. No início, muitos me julgaram e falaram que um mês era pouco tempo. Sim, é realmente pouco tempo, mas quando você tem uma determinada quantia de dinheiro e tempo, não há muitas opções. E olha: um mês foi suficiente para meu avanço, claro que, com muita dedicação e foco!

Além desse conhecimento, ganhei uma visão de mundo incrível e posso até dizer que tive uma transformação e que agora vivo uma outra fase da minha vida. No entanto, esse é um assunto para outra postagem, hoje vim trazer um pouco mais sobre como ter 100% de aproveitamento do seu intercâmbio e algumas dicas que queria ter recebido antes de ir para lá.

1. Fuja de brasileiros

Essa pode parecer a dica mais idiota que está recebendo, mas é exatamente ela que faz a diferença. Diversas pessoas vão viajar por um mês com a família lá fora e voltam com o inglês exatamente igual, sabe por que? Pelo simples fato de estar em sua zona de conforto, com outras pessoas que falam o idioma materno dificilmente vamos querer falar o idioma local do país que estamos viajando. Já quem segue essa dica a risca não tem opção: vai ter que aprender na hora H.

2. Use o Google Tradutor APENAS em casos de emergência

Como assim?! Se for em um restaurante e tiver algum tipo de alergia, está liberado o GT para verificar, ou alguma situação parecida. Agora, se não souber como dizer uma palavra em inglês no meio de uma conversa, IMPROVISE. Posso dizer por experiência própria que aprendi muitooo mais apenas pensando em outra palavra para substituir aquela a qual não lembrava do que conversando normalmente.

3. Leia no idioma local

Na maioria das vezes, sua escola de idioma vai ter uma biblioteca onde você pode encontrar um livro que goste conforme seu nível. Isso me ajudou muito e, pelo menos em Londres, haviam vários pontos de trocas de livros. Livros que nem sabia da existência e que eram realmente bons! E não precisa ser necessariamente livro, podem ser revistas ou até mesmo jornal gratuito, o importante é ler e se dedicar para compreender.

4. Participe de eventos sociais

Não sei dizer se toda escola oferece esse serviço, mas tente ficar por dentro da agenda local caso a sua não disponibilize. No meu caso, todo dia da semana havia eventos sociais, com o objetivo de ter interações e conhecer pontos turísticos de Londres. O que, sem dúvida, foi incrível. Eu conheci pessoas de diferentes níveis de inglês e diferentes países graças a esses programas.

5. Não tenha medo

Pode parecer bobagem estar com medo, mas ao mesmo tempo é óbvio, afinal, você está sozinho em um país totalmente diferente, muitas vezes, morando com uma família diferente. Eu mesma tive certo receio de sair nos meu primeiro dia, mas logo tomei a frente e o encarei. Também pode haver o caso do medo de errar na hora de falar o idioma, mas se arrisque, não tem problema algum errar, no máximo eles vão te corrigir. No final, acabamos percebendo que era só o nosso corpo querendo se manter na nossa zona, então NADA DE MEDO.

Leia também: Como planejar um intercâmbio

Crédito da imagem: Pixabay


31/05/2019

Séries: Investigação criminal


Se assim como eu você é fã de uma boa investigação, essa série é para você! Investigação criminal é uma série brasileira com temporadas de 8 episódios, sendo cada um deles com média de 40 minutos. Nela, você vai conhecer os mais famosos casos do Brasil através dos próprios investigadores, peritos, psicólogos, psiquiatras e delegados que cuidaram do crime quando ocorrido e, em alguns casos, até mesmo familiares da vítima.

A série ocorre em estilo de documentário que vai desde o contexto em que estava o crime até a sentença que o criminoso recebe. Para mim a melhor parte são as explicações que eles dão dentro do caso, como chegaram as conclusões que chegaram.

Investigação criminal apresenta também fotos tiradas no local do crime (censuradas, claro), armas do crime, enfim! É um combo completo para quem se interessa nessa área criminal, e é uma ótima opção para entender um pouco mais sobre a questão de penalidade no Brasil e afins. É uma das minhas séries criminais favoritas, apesar de alguns episódios serem bem pesados (normalmente quase choro nos que envolvem crianças)

A série está em andamento e já conta com 5 temporadas, sendo:
1ª Temporada: 8 episódios
2ª Temporada: 8 episódios
3ª Temporada: 8 episódios
4ª Temporada: 8 episódios
5ª Temporada: 8 episódios

Casos conhecidos dentro da série:
Isabela Nardoni, Suzane Von Richthofen, Maníaco do parque e entre outros.

Fonte da imagem: google

27/05/2019

Como economizar durante o intercâmbio



A maior preocupação na hora de planejar um intercâmbio é, na maioria das vezes, o investimento de fechar o intercâmbio em si, como economizar para pagá-lo e acabamos esquecendo de outro ponto importantíssimo: o dinheiro que será gasto durante o mesmo.

Estar imerso numa cultura diferente, em um país diferente, acaba fazendo com que gastemos mais, não é uma regra, vai dizer que você não vai querer fazer umas comprinhas lá?! Sem contar que se seu pacote, assim como o meu, não estiver incluso alimentação, vai ter que se adaptar a uma das duas alternativas: comer fora ou fazer sua própria comida.

Acredito que você não queira ficar sem grana lá e é aqui que temos que refletir: onde vão a maior parte de seus gastos e como reduzi-lo ou direcioná-lo para que tenha maior aproveitamento de seu dinheiro? 

Essa "pesquisa" deve ser feita antes mesmo de embarcar, assim consegue ter uma base de quanto dinheiro vai levar, quais suas prioridades e todas as alternativas caso algo não dê tão certo durante a execução de seu plano.

  • Evite comer fora
Não que você não possa provar comidas diferentes e comer em um local bacana, mas se tornar algo muito frequente pode ser um problema, ainda mais se não houver um conhecimento prévio de lugares com preços mais acessíveis.

Por exemplo, em uma das minhas primeiras vezes que resolvi sair para comer, acabei pagando 10 libras em um sanduíche. É algo caro? Não exatamente, mas depois de conhecer melhor a cidade, descobri que a Boots de Londres vende sanduíches por volta de 0,50p até 4 libras. Então sim, acabou que eu ter pago 10 libras saiu algo caro, e que provavelmente eu não pagaria se soubesse antes.

  • Pesquise sobre os comércios
Quer comprar uma maquiagem? Procure.Quer um mercado para comprar suas refeições? Procure. Tudo que for comprar, se planeje e pesquise pelo melhor preço, pode parecer pouquíssimo, mas quando posto na ponta do lápis vai ver que cada centavo ajuda.

Claro que conforme for se passando os dias você mesma já vai ir obtendo essa experiência e conhecimento de onde comprar, qual a época que tem promoções, mas todo conhecimento já ajuda, né?!

  • Liste suas prioridades
 Essa é uma das mais importantes, se não for a mais importante, porque se você não tem com o que se preocupar pode gastar com o que bem entender, certo? Já quando, por exemplo, sua prioridade é ter alimento todos os dias da semana ao menos, então dai precisamos fazer cálculos para que a grana de e quem sabe, até sobre.

  • Converse com sua Host Family
Sem dúvidas essa é essencial! Quando chegar, conversem sobre o que você vai precisar comprar, o que ela vai oferecer, o que você pode ou não usar. Por exemplo, como não tinha almoço nem  jantar incluso no meu pacote, ela me deixava usar o microondas. Lógico que a comida não ficava como a de costume, mas deu para mim me virar muito bem! Sem contar que havia dias que ela mesma deixava comida para mim, mas isso depende muito de Host Family para Host Family, então o diálogo é algo necessário.

Bom gente, tendo seguido algumas dessas dicas e sempre mantendo um bom diálogo e pesquisa, acho que dificilmente faltará dinheiro durante sua viagem. Muitos me perguntaram quanto de dinheiro que é necessário levar, isso é muito pessoal, eu mesma sou muito econômica e 900 libras deram e sobraram durante um mês, ainda que eu comprei produtinhos para meus amigos e familiares. E o que tinham me recomendado era levar 50 Libras por dia, mas novamente reforço, é muito de pessoa e pessoa!

Crédito da imagem: Pixabay

13/08/2018

Virei vegetariana! Entendendo os porquês.


Bom dia/Boa tarde/Boa noite! Resolvi trazer meu primeiro post sobre lifestyle ( quem sabe da certo esse tipo de conteúdo por aqui, ein? ) e hoje quis falar sobre vegetarianismo. Não só o que é, mas também o porque eu deixei de consumir qualquer tipo de carne "do dia para a noite".

Sem enrolação, vamos lá!

Muita gente acaba entrando nesse estilo de vida por conta de algum video ou documentário que viu a respeito os maus tratos animais e assuntos relacionados. Comigo foi diferente, sempre tive essa vontade e a carne nunca teve um lugar especial no meu prato, porém sempre fui apaixonada em hambúrguer então pensava que "não ia rolar".

Dias vem e dias vão, cada vez mais eu me sentia incomodada consumindo carne, ainda que não tivesse mudado nada em minha rotina em relação a isso. Entrei na faculdade, onde encontrei algumas pessoas veganas ( só amor por elas ) e me senti motivada, pensei: é agora ou nunca!

Sim, do dia para noite não consumia mais ( o que não recomendo, é mais fácil ir tirando a carne aos poucos da sua alimentação, não seja radical haha ). Fui procurando receitas daqui, lendo sobre a área nutricional ali e hoje já fazem mais ou menos seis meses!

Você não sente falta da carne?

Não! É até estranho responder isso, mas me sinto mais feliz agora que não consumo carne, como se cada refeição fosse um pontinho a mais para os animaizinhos.

Qual foi sua maior dificuldade?

Sem pensar duas vezes foi em relação a comer fora de casa. Moro no interior de São Paulo, então aqui não tem tanta variedades quanto SP, e eu sou uma pessoa que ama sair no fim de semana para comer e não ver nada sem carne em cardápios foi algo que me deixou bem chateada no ínicio, mas que agora já não é um problema.

Qual sua relação com pessoas que comem carne?

Normal! Sempre me perguntam "mas seu namorado come carne, ele que cozinha?", gente de jeito nenhum! Quando ele vai cozinhar, ele faz comida especial para mim e quando vou cozinhar faço carne para ele, normal. Claro que eu não curto muito fazer carne, então sempre tento trazer aquele prato vegetariano todo elaborado e acreditem: ele já até disse que a comida vegetariana costuma ser melhor. Ainda assim, ele consome sim carne, mas diminuímos o consumo para que ele faça a parte dele também.

Meu relacionamento com minha família também é super de boa! Vou em churrasco que eles fazem e levo meus pratos para fazer junto deles. É até divertido ver o pessoal provando ( uns amando e outros fazendo caretas haha ).  E outra: não me importo se, por exemplo, tiver só estrogonofe de carne, eu tiro a carne e como o molho!

É caro ser vegetariana?

Nossa alimentação tem bastante verde escuro e castanhas, avaliando o que gastava com carne, é praticamente o mesmo preço, porém é uma alimentação para quem gosta de cozinhar, nem sempre os pratos são tão simples. E sem dúvidas comer fora sendo vegetariana - nem sempre - é caro sim, talvez por ser algo "incomum" na cidade onde moro.

Fonte da imagem: google

08/08/2018

Pintando o cabelo com anelina


Oie oie! Hoje resolvi trazer minha primeira experiência com anelina, que foi uma das últimas vezes que pintei meu cabelo. Normalmente uso tonalizante, mas a maioria dos que usei verde acabava ficando mais azulado do que eu gostaria que ficasse, então fiz umas pesquisinhas e lá fui eu pintar com tinta de madeira haha!

Você vai precisar de:

anelina ( na cor desejada )
um pouco de água
creme de cabelo ( pode ser sua máscara favorita )

Como eu fiz:

Fui misturando o pó da anelina, só um pouco dele, com o minimo de água possivel até diluir bem. Em seguida, peguei esse liquido e misturei bem com o creme, vi se chegou na cor que queria. Caso não chegue, faça o mesmo processo de acrescentar anelina diluída. Muitos usam álcool para diluir ela, mas eu preferi usar do jeito mais "natural" possível, para não detonar meu cabelo e por conta do meu medo de nunca ter usado esse método. 

O que achei?

Pelo o que pude reparar, a cor dura mais no cabelo, no entanto, quando desbota é desigual. Um pedaço fica totalmente verde e o outro loiríssimo, então não da pra curtir o cabelo desbotado, fica muito manchado. 

Estraga como dizem? 

O meu cabelo não fez diferença, foi a mesma coisa que ter passado um tonalizante mesmo, a única diferença que senti foi realmente na duração, no modo de desbotar e na paleta de cores né, que você pode criar uma infinidade com anelina. Sim, você também pode criar com tonalizantes, mas eu achei mais fácil o manuseio ( por incrível que pareça ).

Vale lembrar que cada cabelo reage de um jeito, então faça um teste de mecha e tire suas conclusões. Claro que o produto não é feito para cabelos, portanto não é recomendado. 


Fonte da imagem: google