14/08/2019

Livros: Ted Bundy - Um estranho ao meu lado

Foto: instagram

Título: Ted Bundy - Um estranho ao meu lado 
Autora: Ann Rule
Editora: Darkside
Ano: 2019
Páginas: 592
Sinopse: Quando Ann Rule conheceu Ted Bundy em um centro de atendimento de prevenção ao suicídio, ela não fazia ideia de que aquele rapaz  simpático e inteligente - que sentava ao lado dela e de quem até chegou a receber um cartão de Natal - se tornaria um dos serial killers mais proeminentes da história.
Ted Bundy confessou ter matado ao menos 36 mulheres nos Estados Unidos durante os anos 1970. Para estudiosos do caso, a contagem final é ainda maior. Ele pode até ter salvado vidas pelo centro de prevenção, mas ceifou outras dezenas quando ninguém estava olhando. Inúmeras famílias ficaram sem respostas, e ele foi executado em 1989 na cadeira elétrica. Mas estas informações todo mundo conhece. Chegou a hora de saber mais.
Ted Bundy: Um estranho ao meu lado é o livro de true crime mais aguardado pelos darksiders e chega como um clássico na coleção Crime Scene, da DarkSide Books. Ann Rule - que teve uma extensa carreira publicando livros e reportagens sobre casos criminais -, divide uma experiência que ninguém, em sã consciência, gostaria de ter: a proximidade com um serial killer e a descoberta de sua verdadeira face.
Em Ted Bundy: Um estranho ao meu lado, mergulhamos nas memórias de Rule através de um viés inusitado e assustador. Após mudar de emprego e começar a cobrir casos criminais, Rule se viu diante de um mistério envolvendo mortes consecutivas de mulheres, até que, anos depois, quando estava escrevendo um livro sobre essas mesmas vítimas, a verdade veio à tona.
Rule levou anos para aceitar e assimilar o fato de que o homem que havia causado tanto horror era o mesmo com quem havia passado sozinha os turnos da noite no trabalho. Em 2003, em uma entrevista ao Houston Chronicle, ela afirmou: "Por muito tempo eu nutri esperanças de que ele fosse inocente, de que de, de alguma forma, isso tudo não passasse de um erro terrível." Sua experiência alterou drasticamente seu projeto: ela não mais estava escrevendo sobre um assassino misterioso, e sim sobre alguém que havia conhecido pessoalmente.
Equilibrando sua vivência pessoal cheia de descrenças, temores e conflitos e seu papel como repórter investigativa, Rule explora a dualidade de Bundy com uma intimidade ímpar. De um lado, um homem charmoso e carismático que dividia planos sobre reconquistar uma antiga namorada; de outro, um psicopata que nutria um ódio fervoroso por mulheres e vivia uma vida de mentira.
O clássico best-seller de Ann Rule é o olhar mais profundo e detalhado sobre Ted Bundy que um leitor de veia investigativa irá encontrar. E em 2019 ainda estreia o filme Extremely Wicked, Shockingly Evil and Vile, com Zac Efron e Haley Joel Osment no elenco, narrando a história de Bundy a partir da perspectiva de Elizabeth Kloepfer, a namorada de longa data do psicopata; e também a série documental Conversando com um Serial Killer: Ted Bundy, com gravações de áudio do próprio Bundy feitas no corredor da morte.
Ainda acha que conhece bem todas as pessoas que convivem com você? Pense de novo. Algumas verdades moram nas profundezas e, às vezes, só conseguimos ver aquilo que os outros querem nos fazer enxergar. 

Resenha:  O livro começa com uma breve introdução da autora, onde ela da um resumo sobre os encontros com Ted, o quanto foi difícil ter ele como um de seus casos para escrever e responde perguntas frequentes sobre o mesmo.

Depois da contextualização, entramos para uma linha do tempo, desde da infância de Bundy, o encontro com Ann Rule, seus primeiros crimes, suas prisões e até sua sentença. Extremamente rico em detalhes, tanto em relação aos acontecimentos com ele como os sentimentos da autora, alguns capítulos até tentam dar uma explicação pelo o que ele fez.

A autora trouxe um assunto tão duro de ser falado como as suas vitimas, a maneira que morreram, de um jeito muito humanizado, além da figura do Ted, ainda que sem romantizá-lo como em outros filmes/livros/reportagens sobre o criminoso. Ela ainda explica sobre ele não ser um gênio como todos falam, ele apenas era uma pessoa inteligente, falando em questão de seu QI.

Temos acesso a algumas cartas de Bundy para a autora, onde nos ajuda a construir o tipo de pessoa que ele era e como seu "humor" vai criando diferentes formas durante os anos, como se existisse vários Teds com quem Ann conversasse.

Por mais que se trate de um livro pesado, a leitura foi muito rápida para mim porque ele me prendeu. Sugiro que leia ele antes de ver os filmes e documentário, o que eu não fiz, pois dá um olhar mais detalhado e totalmente diferente do que os outros universos.

Vale lembrar que Ann Rule nunca fora namorada de Ted, como muitos confundiram por muito tempo, portanto, o olhar dela no livro e o olhar de Meg no filme Extremely wicked shockingly and evil são duas coisas diferentes e que se complementam ( mesmo que o filme não seja tão completo quanto o livro ).

Eu nunca fui sensível a esse tipo de conteúdo, porém confesso que tive diversos pesadelos com Bundy enquanto li esse livro, ainda assim é um indispensável ler e aprender com todas essas mulheres como o perigo pode estar do nosso lado e que todo cuidado é necessário! Foi uma experiência incrível e diferente ler, foi meu primeiro livro de True Crime, mas com certeza não será o último, abriu um leque que não tinha me aprofundado ainda.

3 comentários:

  1. Nunca li livros nesse segmento, me considero uma leitora conservadora, sou muito sensível a certos conteúdos então evito para não ser nenhum gatilho pra minha ansiedade, apesar de que sua resenha me deixou curiosa. Sempre penso em como não conhecemos as pessoas de verdade, e que "criminosos" podem estar entre nós o tempo todo. Gostei do ponto em que você disse que a autora não romantizou o personagem, acho até um pouco desafiador contar a história de um criminoso sem "romantizar", porque os poucos filmes nesse estilo que eu assisti foram bem romantizados, então acredito que com livros deve ser algo bem comum também.

    Abacate Tati

    ResponderExcluir
  2. Histórias de psicopatas me intrigam LOUCAMENTE! É muito doido como carisma e extroversão são combinados de maneira que vem tão a calhar com esse sangue frio todo. Acho bem legal ela mostrar o "lado de lá", tendo convivido com ele, uma vez que se não fosse a psicopatia talvez fosse só uma pessoa legal querendo ajudar outras. Por outro lado, né, ele destruiu a vida de DEZENAS de pessoas e não pode mesmo ser romantizado, é o equilíbrio perfeito.
    E, sei lá, mesmo sabendo de quem se trata eu não consigo ficar OK com a pena de morte... Me arrepia tanto quanto os assassinatos dele!

    ResponderExcluir
  3. Li o livro esse ano e foi uma das melhores leituras da minha vida. Eu já lia bastante sobre casos de criminologia, mas esse livro abriu a minha mente de forma incrível para esses casos. Ele relata tão bem como foi toda a vida, não apenas do Ted Bundy, mas de suas vítimas também! É quase inconcebível pensar que um ser humano foi capaz de tantas atrocidades... A série da Netflix é um ótimo complemento para o caso.

    ResponderExcluir

Instagram